domingo, 30 de abril de 2017

DICAS DE COMO CONTAR HISTÓRIAS

CONTAÇÃO DE HISTÓRIA: COMO DEVO FAZER?

Por Cristiane Costa



A hora da contação da história é um momento de cumplicidade, interação, expectativas, é um momento onde a criança irá entrar no mundo imaginário fazendo conexão com o seu cotidiano. Nesse momento há o desenvolvimento das suas emoções, o incentivo à imaginação e a leitura, a ampliação do repertório cultural e a criação de referenciais importantes ao desenvolvimento cognitivo(Girardello). São nestes momentos de contação que se é introduzido elementos importantes para a construção de uma identidade social e cultural que será apresentada a criança. Daremos algumas dicas de como contar histórias, dicas que vem dando certo e que por isso estamos compartilhando com vocês.
ESCOLHENDO A HISTÓRIA
A escolha do livro vai de acordo com o público. Qual é a faixa etária das crianças? O público é mesclado? Nem toda criança é igual a outra e os interesses mudam. Se as crianças forem menores, histórias com animais e não muito longas nos dá um ótimo resultado, mas se o grupo for mesclado e grande o ideal seria fazer uma contação dramática sem o livro(opcional) isso te dará movimento para circular e olhar no olho da crianças e utilizar o corpo como ferramenta para "segurar" a atenção das crianças durante a sua contação.
CONHECENDO A HISTÓRIA
Um dos grandes equívocos na hora de contar história é conta-la de "sopetão", não conhecer o que vai contar traz insegurança, que será logo percebida pelas crianças e logo virá o desinteresse... quando se conhece a história há espaço para dar entonação de voz aos personagens, dar uma conotação de altos e baixo ao enredo, é possível exaltar através de suspense o momento tenso da história, ou seja, conhecer a história te dará oportunidade de criar para que se estabeleça uma sintonia entre contador e público e o envolvimento se dará com certeza.
A ROUPA
Para se contar uma história o contador não é obrigado a se caracterizar, o diferencial está em como se é contada essa história. Mas vestir uma saia diferente, colocar um chapéu, um óculos ou qualquer outro objeto que faça com que a criança entre em sintonia com um personagem é de grande valia. Falo com propriedade pois tinha uma turma na educação infantil onde criei uma personagem para trabalhar com alimentação saudável e eu só precisava colocar um óculos e mudar a voz e eis que surge a Josefina, as crianças amavam. Vale salientar que a roupa, para o contador , pode ser a ligação com sua inspiração sendo assim vale muito a pena se caracterizar, só tendo o cuidado com o exagero pois a história não é a coadjuvante.  
O ESPAÇO E A CONTAÇÃO
O espaço é de grande relevância, deve-se observar se haverá a interferência de barulhos externos, se as crianças estarão confortáveis, se você disputará atenções com espelhos e janelas. fique atento e posicione-se longe de espaços ou objetos que atraia a atenção das crianças. Quando o público for grande e não tiver como evitar essas situações a dica que dou é que movimente-se(nesse caso a escolha da contação será sem o livro)chegue perto das crianças e olhe no olho dela, essa é uma estratégia para chamar a sua atenção.
A CONTAÇÃO E O MATERIAL HUMANO


Em uma contação o corpo do contador é o material que faz a diferença. Através dele haverá uma diversificação de possibilidades: elementos expressivos como imitação de vozes, ruídos de animais, barulhos, expressões faciais e gestos se colocados na hora certa farão a diferença. Em alguns momentos da história utilizar pausas junto com expressão de espanto ou tristeza trazendo impacto às cenas. Não esquecer de ser bem claro na pronuncia das palavras e no ritmo da contação, as crianças precisam compreender o que se é falado para não perder o enredo da história e consequentemente perder o interesse. 
A CONTAÇÃO E OS INSTRUMENTOS DE APOIO

Esses instrumentos são valiosíssimos para o contador pois eles marcam tempos específicos na contação. Objetos sonoros podem marcar uma cena dramática ou um momento encantado da história, uma caixa ou saco com um livro que será lido ou outro objeto de significância na história pode criar expectativas e reafirmar o imaginário da criança, um cocar pode remetê-las  a imagem de um índio, os fantoches darão suporte para chamar a atenção como também o teatrinho de bonecos. Todo e qualquer instrumento torna-se valioso quando bem utilizado e otimizado pelo contador.
A CONTAÇÃO E O ENVOLVIMENTO DO GRUPO
Bem, nem sempre teremos todos interessados em fazer parte da contação, encontraremos em alguns grupos crianças que não estará em sintonia, mas algumas estratégias podem ser utilizadas para reverter essa situação como:

Trazer da história algum objeto que faz parte do enredo como: a capa mágica da princesa



Pedir para que repitam algumas frases marcantes da história como: a mãe do João e da Maria  chamando, peça para que eles chamem junto com você.

Emitam sons que são parte do enredo: bater à porta, vento, barulhos de animais, cantar músicas, etc.

Convidar a turma a fazer gestos e se mover conforme a cena. Por exemplo, um saci que pula num pé só, um leão feroz com garras. Um sapo que pula.
Numa cena importante causar suspense parando a narrativa e perguntando: o que vocês acham que vai acontecer?


lembrando que independente da criança querer ou não participar quando se está contando uma história não se deve parar para chamar a sua atenção, será desastroso no meio da contação parar para "brigar" com um aluno. 

DEVO CONTAR E RECONTAR UMA HISTÓRIA?
Nenhuma história será ouvida da mesma forma pelas crianças. Se a história for boa as próprias crianças pedirão que você a conte de novo, de novo e de novo. O momento do suspense, da gargalhada da bruxa, da música, dos sons farão com que a ligação seja tão prazerosa que elas pedirão sempre, mas vale salientar que você deve apresentar outros títulos sem desvalorizar aqueles já valorizados por elas.
VOCÊ E A CONTAÇÃO
Ame o que faz! Estude, pesquise se recicle! Não esgotaremos aqui as dicas e dúvidas, é preciso que você esteja em constante aprendizado! Ninguém já nasce um contador de histórias... é algo que amadurece com o tempo, mas se faz necessário sensibilidade, criatividade e estudo... estudo do livro que se vai ler, estudo das emoções, estudo das expressões, estudo das reações das crianças a cada momento da contação e por fim a avaliação! Se avalie sempre para sua prática melhorar a cada dia...

Trago um pedacinho de uma contação que fiz. Infelizmente não deu para filmar tudo, mas dá para ter uma ideia do que foi colocado aqui.
video


video





Postar um comentário